Deus Perdoa Quem Perdoa

"Se perdoarem as ofensas dos outros contra vocês, o Pai que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem os outros, o Pai também não perdoará as ofensas de vocês." - Evangelho de São Mateus 6:14 e 15.

Amor a Deus e ao próximo são aspectos muito intimamente relacionados da religião proposta por Jesus Cristo. E é curioso que, através da visualização desse sentido vertical e também horizontal de Sua mensagem, obtém-se uma espécie de cruz -- símbolo máximo do cristianismo tradicional --, que tanto aponta para cima em direção ao Pai quanto para os lados, onde encontramos nossos semelhantes.

Nenhuma outra figura seria tão adequada para ilustrar a interdependência desses tópicos. Afinal, Jesus deixa bem claro que, se não agirmos amorosamente em relação ao próximo, não podemos esperar uma reação amorosa de Deus às nossas súplicas. Não adianta pedir-lhe perdão se , em nosso íntimo, permanecem restrições e mágoas para com outras pessoas.

Assim como não há limites para o perdão divino, também não deve haver limites de tolerância entre nós e o semelhante. Parece exagero, mas Jesus ensinou que mesmo que alguém nos ofendesse setenta vezes sete num só dia e, arrependido, toda vez nos procurasse para pedir desculpas, ainda assim deveríamos perdoá-lo. (Veja S. Lucas 17:4 e S. Mateus 18:21 e 22.)

Acredite em Jesus:
Só perdoando se é perdoado!